samedi 29 novembre 2014

meus primeiros empregos .... 2007-2008

O ano é 2007. Cheguei em setembro, estava sol, eu havia um quarto num apartamento na Avenue du Parc e, como imigrei sozinha, havia fechado com uma agência de intercâmbio para o primeiro mês (pisada de bola, se fosse hoje faria diferente e nao usaria agência, mas ... o que passou, passou).

Na casa onde eu tinha o quarto, podiamos usar o computador e a internet. A dona da casa onde morava foi de grande ajuda para destrinchar os sites de emprego e nao demorou muito para me familiarizar com eles. Ja estava com o processo de equivalência encaminhado e esperava poder começar o curso de integraçao no começo de 2008 (so fui conseguir começar em agosto de 2008, mas isso é outra historia ....).

Sabia **MALOMENOS** onde procurar empregos, sabia que nao poderia ser enfermeira, e sabia que para ser infirmière auxiliaire precisaria passar por um processo de equivalência com a OIIAQ. Entao, decidi investir nas vagas de PAB, préposée aux bénéficiaires.

Nao fui no Emploi Quebec, nao tive consultor, nao frequentei grupos de integraçao ao mercado de trabalho, nao fiz francisaçao, nao tinha networking e so conhecia a cidade da minha viagem de prospecçao feita em 2006, de miseras 2 semanas. UFA!

E para procurar emprego, em 2007, como era ? Na area de enfermagem havia alguns sites super uteis, mas nada especificamente voltado para os PAB. Comecei entao pelo site do Emploi Quebec mesmo. Com o mecanismo de busca por palavra-chave, usando *préposée*, eu vi alguns anuncios, e comecei a analisa-los.

Alguns exigiam experiência quebeca (descartei!). Outros, curso de PAB (descartei também). De uma lista potencial de 12, 15 ofertas, so 3 ou 4 se adaptavam ao que eu tinha a oferecer. Me deu um no na garganta e pensei **e se nao conseguir ser PAB?** ....  decidi seguir em frente e enviar para essas vagas, assim mesmo.

A dona da casa entao me ajudou com a carta de apresentaçao. Meu CV foi adaptado para o cargo que eu estava pleiteando, ja que nao vale nada para quem quer ser PAB dizer que como analista comercial eu era responsavel pela captaçao de R$ 1.000.000,00 mensais em procedimentos cirurgicos de clientela particular, né? 
Adapta daqui, adapta dali, coloquei o enfoque na assistência e nas competências que tinha para os cuidados diretos, incluindo os diferentes tipos de pacientes. 

Fiquei na duvida se colocava ou nao o meu bacharelado, eu ainda estava aguardando a resposta da OIIQ (e consequentemente do MICC, na minha época a OIIQ trabalhava em parceria com o MICC e a resposta vinha ao mesmo tempo praticamente). Acabei colocando, afinal tinha meu diploma original e as versoes devidamente traduzidas do historico acadêmico.

Esse *tiro no escuro* inicial nao me rendeu nenhum convite para entrevista. :-(

Minha primeira semana de Québec estava terminando! Comecinho da minha segunda semana, outono dando as caras, outubro e seu arzinho mais gelado, um pouquinho de mudança nas folhagens ... estava começando a achar que ficaria até janeiro procurando emprego e que me veria em 2008 começando o ano pedindo ajuda do BS! La fui eu para o site do EQ, de novo, de umas 10 vagas potenciais, 3 ou 4 poderiam se encaixar no perfil que eu possuia. 

Mandei os CVs. É sempre aquela angustia quando mandamos CVs, né? Felizmente, dessa leva, tive uma resposta ! E isso, no mesmo dia! Estava com menos de 10 dias de Canada, sera que conseguiria meu primeiro emprego ? Fui convidada para fazer uma entrevista no dia seguinte, e fui com a cara e a coragem.

A entrevista foi com o proprio cliente, beneficiario do programa *chèque emploi-service* do governo. (infos aqui = chèque emploi-service ). Meu trabalho seria fazer o periodo do *soir*, 2h de segunda à sexta. Como funçoes = ajudar o senhor quadriplégico  nas tarefas administrativas e da casa (lavar a louça, dobrar as roupas, abrir envelopes, classificar documentos e ajuda-lo com os papéis da cooperativa de habitaçao, onde ele era o secretario) ; oferecer liquidos e o lanche da noite, usando os utensilios desenvolvidos pelos ergoterapeutas (o senhor possuia uma casa completamente adaptada, vivia sozinho ha mais de 20 anos) ; fazer companhia; ajudar à instala-lo na cama, usando um lève-personne : 
 source https://www.youtube.com/watch?v=Vx8xyw5t0pE

e claro, fazer os cuidados de higiene (ajudar para escovar os dentes, esvaziar o saco da sonda urinaria e instalar o condom urinario (nao lembro o nome em português!!) = aqui uma demonstraçao :
source https://www.youtube.com/watch?v=WSkPVze3VCM

Trabalhar so 10h por semana nao estava nos planos, muito menos fazer o horario super esquisito das 9 às 11 da noite! Mas, era minha primeira oportunidade de trabalho, foi a primeira pessoa que me aceitou e nao exigiu curso de préposée, nem PDSB (na época eu nem sabia o que era isso!). Fiquei com ele por 4 meses, aprendi muito !! No mês seguinte ao meu primeiro emprego, consegui uma segunda oportunidade, dessa vez como *intervenante de nuit*, num residencial para crianças autistas e pessoas com deficiências. Se no primeiro emprego eu trabalhava so 2h por dia, no segundo eu fazia uma maratona, era das 5 da tarde até 9 da manha, sabados e domingos. Era um emprego mais fisico, tinha atividades como varrer a casa, limpar o banheiro, além de me ocupar de servir e supervisionar a hora da janta (que era feita pela outra intervenante) e fazer a preparaçao do lanche das crianças para o dia seguinte. Eu fazia ainda todos os cuidados de higiene (banho, preparar para dormir, trocar de roupa, trocar fraldas, etc). Em geral os autistas eram calmos e usavamos pictogramas para a comunicaçao, um método chamado TEACCH, que eu nao conhecia ... Aqui uma demonstraçao :

source https://www.youtube.com/watch?v=vkymZzmg4jw


O residencial tinha 3 andares, os autistas ficavam no terceiro. No andar intermediario eram pessoas com maior grau de dependência, acamados. Minha funçao era como supervisao noturna e trocar as fraldas da madrugada, ja que no andar intermediario uma equipe de 2 PAB ficava até às 21h. Eu ajudava ocasionalmente na hora de colocar a turma para dormir, eram 6 pacientes. No térreo, eram pessoas com deficiência intelectual, mas autônomas, com trabalho durante o dia, atividades escolares, etc. Minhas funçoes eram mais pontuais com esses clientes, como ajudar a instalaçao do BIPAP, verificar o caderno de glicemia, e garantir que os cigarros estavam apagados e eletrodomesticos, desligados.

Meu começo de vida aqui no Canada foi assim : de segunda à sexta, trabalhando 2h por dia e aos finais de semana, fazendo 32h em 2 dias! Com 42h de trabalho por semana e nenhum dia completo de folga, eu tinha um salario bom para iniciante, uns 1500$. O quarto que havia conseguido pela agência de intercâmbio era so para 1 mês, entao antes do fim de outubro eu ja estava em outra co-locaçao, que consegui pelo Kijiji.

Nao preciso dizer que nao aguentei muito tempo nesse ritmo, né? Mesmo trabalhando so 2h durante a semana, os plantoes de 16h aos finais de semana me matavam! Durante a madrugada eu mal conseguia tirar um cochilo, mesmo sabendo que era autorizada a tal. Um dos jovens autistas queria me fazer companhia e se recusava a dormir em seu quarto. Depois de uns dias eu desisti de brigar, falei com meu supervisor e chegamos à uma conclusao: deixariamos o rapaz dormir no sofa da sala, eu ficava la com ele vendo os programas da CMT, a rede country (e eu nem poderia OUSAR tirar da CMT, os rapazes autistas simplesmente adoravam musica country, fazer o quê ? Nunca vi tanto **Hope & Faith** e **Home improvement** na minha vida rs).

À essa altura do campeonato ja estamos em 2008, a OIIQ ainda nao me deu resposta e eu tinha acabado de passar o pior ano novo da minha vida, fazendo plantao extra no residencial de crianças autistas e vendo os fogos de artificio de NY pela tevê! 

Em janeiro,  apos o fatidico réveillon, me dei 3 meses extras de espera por uma resposta da OIIQ, e decidi que deveria mudar de empregos. Sempre usando o site do Emploi Québec, e sem ter curso de PAB nem de PDSB, consegui um terceiro emprego, dessa vez como PAB num residencial para pessoas idosas em perda de autonomia, do outro lado da cidade. Estava morando como co-loc numa casa perto do metrô Beaubien e meu trabalho era bem apos o metrô Lasalle. Me despedi do senhor quadriplégico e do residencial, assumiria enfim apenas um emprego, à temps plein, 35h por semana.

Para quem nao conhece o metrô de Montréal, eu fazia baldeaçao na Berri-UQAM até a estaçao Lasalle e de la, pegava um outro bus. O trajeto levava em média 1h. Uma hora de transporte, eu que havia fugido de Sampa (onde levava 2h no meu trajeto entre a zona norte e o Morumbi!)

source http://www.forgetthebox.net/wp-content/uploads/2013/01/Montreal_Metro_2050_by_DashSpeed.jpg


Meu trabalho #3 nao era de noite, nem de soir ... ao contrario, eu começava às 6 da manha! SEIS DA MANHA!

pergunta do dia : quem em sa consciência vai começar no trabalho às 6 da manha ????

Por la eu aprendi muito também, eu ficava prioritariamente com os idosos em perda de autonomia, mas de vez em quando me colocavam no andar dos idosos autônomos. Adorava trocar historias e aprender com essas pessoas. Era a primeira vez também que estava trabalhando em equipe, meus empregos anteriores era aquela coisa de lobo solitario ... Socializar faz bem, conversar com outros PAB, trocar experiências ... conheci um pessoal muito bacana, pessoas de varios backgrounds! Um advogado da Etiopia que havia encontrado na profissao de PAB uma possibilidade de recomeçar a vida no Canada; algumas PAB quebecas de familias haitianas que falavam em créole ... mas nenhum dos meus colegas de trabalho era enfermeiro **à la base**, eu era a unica.

E quando recebi a resposta da OIIQ, fui me informar sobre o curso de integraçao no Cegep du Vieux Montréal, fiz a prova e começaria na sessao de outono ... Mas eis que eu vejo um anuncio no Jornal Métro do ClubMed, procurando justamente enfermeiros .... 

O que rendeu meu quarto emprego, e no Caribe .... e como enfermeira! 

.... continua ....







mercredi 26 novembre 2014

la détresse Ψ entre les professionnels de la santé

 Ce matin, j'ai lu l'histoire d'Émilie sur Presse +. 

Ressentir un peu d'anxiété dans certaines occasions est normal, physiologique et même quelque chose de prévu. Mais, il ne faut pas ignorer la composante **santé mentale** des professionnels de la santé (le texte parle des étudiants en médecine, mais je vois le problème beaucoup plus large, du PAB au DG).

C'est en vérité une constatation étrange = nous nous préparons à aider les autres, à **sauver des vies**, à rétablir les conditions optimales ou à optimiser les conditions actuelles, mais nous mettons notre propre santé mentale en deuxième plan et parler de cela est un vrai tabou.

En analysant rétrospectivement, j'ai vécu un moment de stress très fort pendant le stage et probablement ma santé mentale était affectée. Je pleurais sans raison, j'avais la fameuse boule de larmes qui n'attendent qu'à être expulsées. Mais, personne ne le savais. Ah, le secret, la honte. 

Dans notre société, le stress au travail est présent un peu partout, bien sûr. De la caissière du dépanneur du coin à l'enseignante au primaire, du pompier au CEO ... Mais il ne faut pas ignorer que les exigences liées au travail dans le domaine de la santé sont enormes. Nous travaillons avec la vie et la morte, nous côtoyons les gens dans les moments les plus difficiles dans leurs vies. C'est connu : en plus des conséquences sur la personne, les problèmes de santé mentale ont un impact sur la famille et également sur l'organisation.


Pour les infirmières, j'ai trouvé quelques statistiques assez troublantes = ( source = Santé des infirmières  )



  • Près de la moitié (48 %) des infirmières qui ont dispensé des soins directs ont déclaré qu'elles avaient déjà été blessées par une aiguille ou un autre objet acéré (p. ex. des ciseaux, un scalpel, un rasoir) contaminé qui avait été utilisé sur un patient ....
  • Plus du quart (29 %) des infirmières qui dispensent des soins directs ont déclaré avoir été agressées physiquement par un patient au cours de l'année précédente .....
  • Plus de la moitié (54 %) des infirmières ont déclaré qu'elles arrivaient souvent tôt au travail ou qu'elles restaient tard afin d'accomplir leurs tâches; 62 % ont déclaré qu'elles travaillaient pendant leurs pauses ...

Quand on se pique avec une aiguille, c'est un stress terrible. Quand on se fait traiter de *méchante garde*, aussi. Et quand on ne mange pas parce qu'on doit finir nos notes ou refaire un pansement, idem.

Ce n'est pas un cadeau, la vie d'un professionnel de la santé ....

Quel paradoxe!

Pour se maintenir debout, pour **toffer**, quelques personnes iront chercher de l'aide. Quelques-unes trouveront de l'aide dans la drogue. Qu'elle soit licite ou illicite ... 

Une autre donnée troublante : le TIERS des plaintes disciplinaires soumises à l'OIIQ se rapportent à l'appropriation de narcotiques et de médicaments! Nous avons donc des infirmières (et autres professionnels de la santé aussi) qui vont travailler **gelées**. Sont-elles débordées ? Déprimées ? Épuisées ? Toutes les alternatives antérieures, peut-être! La vie n'est pas si belle quand on a un problème de santé mentale et on ne peux pas en parler ...

Un récit intéressant peut être lu ici = santé mentale et infirmières

Dans un monde idéale, nous serions capables de nous aider, comme nous essayons d'aider les autres.

Bref, dans mon cas à moi, j'était au bord de l'épuisement et c'est clair !! Aujourd'hui je me sens bien, merci. Je reconnais mes points (+), mes faiblesses et je sais à quoi je dois m'attendre pour ma reprise de stage. OUFF! 

SVP, professionnels de la santé = parlons de **NOTRE** santé mentale !! Le sujet doit être combattu sans tabou.


samedi 22 novembre 2014

enfermagem no QC, quem é quem na fila do pao, capitulo 2 (post em português)

Poxa, me surpreendi com o post anterior! Às vezes sinto que escrevo para as moscas virtuais, entao é bom ter um retorno (+) de um post :-) Obrigada, **varios** leitores!

Entao quem leu o post anterior, sabe que a base da enfermagem é composta pelos PAB (que nao fazem parte *oficialmente* da profissao de enfermagem - coisas confusas do QC, acostumem-se) e os IA, esses sim fazendo parte da categoria de enfermagem e tendo até ordem profissional propria, a OIIAQ. Ha ainda os enfermeiros (DEC e BAC) com formaçao CEGEP e universitaria, respectivamente.

Enfermagem é uma profissao com ramificaçao universitaria, entao o acesso aos estudos superiores é garantido para os bachareis. E quais sao as diferenças?

O mestrado é dividido em algumas categorias, o estudante pode optar pelo mestrado classico, nas modalidades mémoire ou stage-essai. Pode ainda optar pelo mestrado profissional (mestrado + DESS) e embarcar na aventura IPS (infirmière praticienne spécialisée).

Ja repararam a sopa de letrinhas ? Preparem-se, isso vai piorar.

 Mestrados sao obtidos em geral com 2 anos à temps plein. Algumas universidades oferecem microprogramas e DESS (diploma de estudos superiores especializados), que podem ser acumulados para a obtençao do grau de mestre. Essa é a parte **classica**. (Consulte o site da universidade de sua escolha para se informar sobre os diferentes programas!).

No ramo da **pratica avançada de enfermagem (PIA - pratique infirmière avancée)** estao as ICS e  as IPS.

IC-quem ? IP-quoi ?

ICS - infirmière clinicienne spécialisée
IPS - infirmière praticienne spécialisée

O titulo de IPS é obtido apos exame de certificaçao, e a formaçao inclui o mestrado classico + o DESS como IPS. Sao 2 anos de estudos à temps *mais que* plein. IPS assumem algumas atribuiçoes anteriormente exclusivas aos médicos, como a definiçao de um plano de tratamento e o diagnostico. Por questao burocratica, no QC a palavra **diagnostico** nao pode ser usada pelas IPS, que usam termos como **impressao** ou **hipotese**. Firulinhas, firulinhas ...
Uma IPS pode acompanhar a clientela do começo ao fim da vida, atuando do pré-parto aos cuidados paliativos. No Québec ainda sao menos de 400, mas em Ontario ja sao mais de 1300, la elas conseguiram um grande apoio dos ministros e do sistema, e atualmente ha até clinicas administradas apenas por IPS. (o blog tem 2 anos de material sobre IPS, se o assunto despertou interesse, vale a pena ler alguns posts antigos!).

ICS, por sua vez, nao precisam passar por exame de certificaçao, essa profissao esta constantemente na *corda bamba*, a associaçao de enfermeiros do Canada (AIIC) e a OIIQ volta e meia publicam artigos e memorias sobre a otimizaçao e valorizaçao desse rôle , como nesse texto, por exemplo = ICS - renforcer le rôle .  ICS nao prescrevem e nao *diagnosticam*. Elas têm enfoque na pratica de enfermagem e deveriam agir prioritariamente na parte clinica. Mas as funçoes administrativas e outros elementos de cuidados indiretos acabam reduzindo o tempo de pratica dessas profissionais. É bem complicado!

Nem todas enfermeiras que finalizam o mestrado classico serao ICS! O mercado dita as regras, e algumas terao funçoes como *cadre-conseil*, *infirmière-expert*, *gestionnaire de cas*, etc.

Ha um grande projeto de reestruturaçao dos programas de mestrado classico = a ideia seria ter um volet que direcionaria o enfermeiro para as funçoes mais administrativas como as citadas acima, outro para a formaçao ICS, incluindo cursos como fisiopatologia e farmacologia. A formaçao IPS se manteria nos moldes atuais (embora eu, humildemente, ache que deveriamos ter 2 anos e meio ou mesmo 3 anos para concluirmos o mestrado IPS! Temos o mestrado classico MAIS o DESS e isso, SIMULTANEAMENTE! = é para queimar muito neurônio!)

=======================================
O mestrado, seja o classico, seja o IPS, é o pré-requisito para o doutorado.

Doutorado .... o que falar do doutorado ??? Doutorado é aquela coisa de doido, né? Cinco anos (no minimo!) e o desenvolvimento de uma tese inédita sobre um tema pertinente. Admiro muito quem segue carreira acadêmica, é uma montanha-russa! Ha a obrigaçao de publicaçoes, participaçoes em congressos, aulas ... é uma verdadeira selva, super competitivo!

Aos interessados, ha bolsas para quem segue em carreira acadêmica, ja que nao da para sobreviver apenas com a ajuda do prêt-et-bourse. Algumas sao bem bacanas, mas é, de novo, um mundo muito competitivo.

Quem termina o doutorado pode conseguir vaga de professor em universidade, ou cargos de direçao em hospitais, nas agências de saude e mesmo no ministério. Ou pode simplesmente decidir a continuar estudando e seguir um pos-doc ....

========================================

Enfermagem é uma ciência e uma arte. Por isso a formaçao acadêmica existe. Felizmente ha enfermeiros desbravadores que seguem para o doutorado! Os doutores em enfermagem sao fundamentais para manter a qualidade e o saber proprio da profissao, avançando com suas teorias e mantendo a chama acesa. Os mestres sao importantissimos, a PIA é um avanço na maneira de gerenciar o sistema de saude, descentralizando o poder e otimizando os recursos. E os que assumem funçao na gestao levam o saber enfermagem para a administraçao, beneficiando o paciente no fim da linha.

Ha espaço para todo mundo! PAB, IA, Infirmier, Infirmière clinicienne, cadre-conseil, ICS, IPS e PhD. Felizmente! :- )


Espero que tenham gostado dessa **saga 2** .

À la prochaine!










jeudi 20 novembre 2014

enfermagem no QC, quem é quem na fila do pao .... capitulo 1 (post em português)

Zapeando na net, vi o video da Mandy (aqui =  blog da Mandy ) e numa parte ela fala sobre a enfermagem e cita um exemplo do *enfermeiro clinico*. Pela explicaçao (aos 17 minutos, para quem achar o video longo rs) parece que ser *enfermeiro clinico* é uma especializaçao. O que nao é bem o caso.

Entao, o objetivo desse post é elucidar meus 2 leitores (kkkkkk) sobre a hierarquia e as diferentes profissoes dentro da grande area da enfermagem. Preparados ?


source https://www.youtube.com/watch?v=NRaQSS4XnzU


Digo e repito, **enfermagem aqui no Québec é basicamente assistencial**. Meus posts insistem nessa tecla, pois muitos podem ficar decepcionados com as funçoes, achando que enfermeiro sera automaticamente (ou muito rapidamente, como acontecia no Brasil na minha época) gestor ou coordenador de unidade ... Nao é bem assim!

Dentro da assistência, ha diferentes niveis e diferentes profissionais envolvidos. E vamos tentar desenrolar esse novelo .... 


1 = PAB (préposé aux bénéficiaires)

É uma especie de *atendente de enfermagem*, misturado com *auxiliar de enfermagem* depois da lei 90. A Lei 90 surgiu no começo dos anos 2000 e abriu o leque de opçoes para os profissionais da area da saude. Ela autoriza que PAB e IA (infirmier auxiliaire) mediante formaçao especifica executem tarefas antes exclusivas aos enfermeiros. 
O que esta incluido na lista da lei 90 ? Você encontra aqui = loi 90 (site da OIIQ)

Entao, o que faz um PAB ? Grosso modo, ele se ocupa de cuidados de base : higiene, ajuda na hora da alimentaçao, ajuda nos transportes, supervisao da segurança e condiçoes de integridade do paciente e garante uma assistencia fisica. Essa é a parte mais parecida com a dos antigos *atendentes*. A Oniraci colocou um post super legal sobre sua rotina como PAB, ela que é enfermeira e esta fazendo o AEC de equivalência ( blog da Oniraci ).

Com a lei 90, e em condiçoes bem especificas, o PAB pode administrar medicamentos (comprimidos, cremes, aplicaçao retal e podem até administrar insulina - a unica *injeçao* autorizada para PAB). Para que um PAB possa executar essas tarefas, ele precisa ser formado por um enfermeiro autorizado, o processo é todo regulamentado e a funçao é *delegada* ao PAB em questao. Ha enfermeiros que trabalham apenas nos processos de transiçao de NP (nao profissionais) em CHSLD (centre d'hébergement et de soins de longue durée). Nao vou entrar no mérito se a déprofessionalisation é benéfica ou nao, mas é uma realidade que veio para ficar (reportagem sobre o tema , aqui = déprofessionalisation).

PAB é um curso de nivel pos-secundario, ou seja, a formaçao leva menos de 1 ano. Meu primeiro trabalho foi como PAB, na época nao exigiam de enfermeiras estrangeiras o curso de PAB. Hoje os residenciais privados ainda podem aceitar sem o curso, mas em geral pedirao pelo menos o RCR e o PDSB. Ha em Montréal um curso  de PAB especifico para enfermeiros estrangeiros (o processo com a OIIQ pode ser super demorado, e com o curso o enfermeiro estrangeiro pode trabalhar no setor publico, que paga melhor do que o privé! No privé o salario é de uns 12$ por hora, e no publico pode chegar até 18$, 20$ por hora). O mercado absorve super bem esses profissionais.

Os PAB sao entao a BASE da categoria de profissionais dos *soins*. Eles nao possuem ordem profissional, nao sao classificados como da *area* da enfermagem (sim, isso é bem confuso mesmo!)

=========================

2 - IA (Infirmier auxiliaire)

Esses profissionais se assemelham mais com os técnicos de enfermagem brasileiro (tanto que técnicos de enfermagem conseguem validaçao como IA, mediante um processo mais simples  - mas também chato - de equivalência de diploma, que pode ser consultado aqui = equivalência OIIAQ)

Os IA sao uma formaçao pos-secundaria especializada, com 1800h de estudos, o que da mais ou menos 18 meses. IA recebem entao uma formaçao mais aprofundada do que os PAB. Eles sao aptos a executarem procedimentos relacionados à administraçao de medicamentos, curativos, punçoes venosas e mesmo instalaçao de medicamentos. IA atuam em quase todas as areas do ambiente hospitalar e comunitario. A lei 90 abriu muitas portas (e janelas!) para os IA, eles assumem cada vez mais responsabilidades na hierarquia dos *soins* (o que a FIQ diz = IA pela FIQ ). O salario maximo de um IA é de 26,50$ por hora.

Um fato interessante, enfermeiros estrangeiros podem pedir equivalência como IA. É uma opçao para aqueles que nao conseguiram a aprovaçao no exame da OIIQ mesmo apos as 3 tentativas ou para aqueles que querem simplesmente um acesso mais rapido ao mercado de trabalho, e nao se importam com essa *queda* no nivel profissional. O salario é interessante e com certeza ha muitas atribuiçoes bacanas para os IA!

============================

3 - Infirmier technicien (DEC) e infirmier clinicien (BAC)

Aqui é que começa a confusao! Entre um PAB, um IA e um enfermeiro, na pratica, é até facil saber **quem é quem**. Mas quando o assunto é **enfermeiro** ou **enfermeiro clinico**, o negocio complica! Complica pois enfermagem, aqui no QC, permite o acesso via 2 sistemas = o CEGEP e a universidade. O CEGEP da o titulo de *infirmier*, é uma formaçao de 3 anos. Seria + ou - um **tecnologo**, um curso superior de curta duraçao. A faculdade, por sua vez, da o titulo de *infirmier clinicien*, que vem com um bacharelado. 

E no dia-a-dia, o que fazem  de diferente o technicien e o clinicien ??

O enfermeiro (seja ele DEC ou BAC, aqui a lei coloca os 2 no mesmo balaio) possui suas atribuiçoes especificas definidas pela lei (isso ja rendeu post no blog =  o que faz o enfermeiro no QC ). A OIIQ deseja que o acesso à profissao seja feito exclusivamente via o BAC, o que foi rejeitado recentemente pelo governo (e super rejeitado pelos proprios enfermeiros!).

Na pratica, o que vemos é que alguns setores irao priorizar (ou tentam priorizar) enfermeiros com BAC, ou seja, os cliniciens, para algumas funçoes. O setor comunitario é um deles, existem infirmiers techniciens que trabalham em CLSC, mas em geral sao os infirmiers cliniciens que assumem as funçoes nesse setor. Mesma coisa (embora nao seja regra) para UTI, urgência e setores hiper-especificos. Mas nao ha cliniciens em quantidade suficiente, entao o mercado nao tem outra opçcao senao contratar techniciens. E com isso, o *valeur ajouté* do BAC (com a carga horaria de ciências sociais, politica e filosofia de enfermagem) fica em segundo plano.

A formaçao DEC é uma formaçao **terrain**, ela prepara o futuro enfermeiro para botar a mao na massa, literalmente. No BAC, a parte do **pensar enfermagem** é favorecida, é a parte que desenvolve o **savoir infirmier**. O mercado de trabalho ainda nao consegue ver claramente essa diferença.

Como assim, o mercado nao vê a diferença ? Na humilde opiniao dessa enfermeira que vos escreve, e sem fundamento cientifico algum além da experiência e do achismo, um dos problemas esta no fato dessas 2 categorias nao terem funçoes especificas, como acontece com PAB e IA, por exemplo. O clinicien estudou mais tempo do que o technicien, mas na pratica podera acabar fazendo exatamente as mesmas funçoes (numa unidade de clinica médica, por exemplo!). Para entender, é preciso voltar um pouco e explicar o confuso sistema educacional em enfermagem no QC : quando o estudante esta no secundario e vai para o CEGEP, ao optar pelo curso na area de enfermagem ele pode seguir diferentes caminhos = o DEC (3 anos) e sair como enfermeiro. O DEC-BAC (3 anos no CEGEP e 2 anos na faculdade e sair com os 2 diplomas) ou o DEC em sciences de la nature e depois aplicar para o BAC na faculdade (2 anos no CEGEP e 3 anos na faculdade). 

O caminho DEC-BAC é super interessante, na minha opiniao. Interessante pois expoe desde cedo o estudante à pratica diaria da enfermagem, **terrain**, e consolida a parte filosofica e teorica gradualmente no BAC. Mas ha quem defenda o chemin 1 (sciences de la nature + BAC) como o unico e mais adequado possivel, o meio universitario tem um certo *desprezo* pelo pessoal do DEC (ah, a academia e suas frilulas).

Para ser chefe de unidade hospitalar, nao é obrigatorio (embora seja fortemente recomendado) o BAC. Para ser ASI (assistante do supervisor imediato) também nao. Entao muitos enfermeiros simplesmente dizem **para que eu irei fazer 2 anos de BAC, se no fim, sera tudo a mesma coisa?**. Oras, o BAC abre a porta filosofica da profissao, permite ao enfermeiro pensar criticamente, a estudar o sistema de saude e a se preparar para ser um agente de mudança. Mas parece que isso nao é o mais importante .... 

E na hora do vamos ver, no fim da quinzena, como fica ?? O salario varia pouco entre enfermeiros e enfermeiros clinicos. O ultimo *échelon salarial* de enfermeiro é de 33,86$ por hora para enfermeiros e 41,26$ para enfermeiros clinicos. Alguns acham que nao vale a pena **perder** 2 à 3 anos de faculdade para completar o BAC e ganhar menos de 10$ por hora a mais por isso. A se pensar ....

================================

Caso o enfermeiro clinico decida continuar os estudos, ele pode aplicar para o mestrado e de la, ir para o doutorado e afins acadêmicos. O BAC, nesse caso, é pre-requisito obrigatorio. O mestrado em enfermagem oferece varias ramificaçoes, mas isso fica pro capitulo 2 ....

================================================
À la prochaine!



mardi 18 novembre 2014

existe vida apos o mestrado? (post em português)

Acho que sim!
Ainda tenho que completar o DESS para obter o diploma de IPS, mas so o fato de ter terminado a parte classica e ser **mestre** da aquele orgulho!

Doutorado ? NEM PENSAR!!!

Do check list, os proximos itens sao =

(  ) terminar o DESS e passar no exame de IPS
(  ) engravidar
(  ) comprar uma casa
(  ) continuar viajando

Ah, o ultimo item .... VIAJAR É PRECISO!!! Ja estou com formiguinha, acho que meu tempo de vida sem viagem gira em torno de 3,5 meses rs .... onde estao os *viajantes anônimos* ?? Oi, meu nome é Gabriela e nao viajo ha 2 meses e meio ...

no ultimo ano (nov-13 à nov-14) tivemos ...

Boston no Natal
Brasil na Pascoa
Bahamas em Julho
Lac Taureau em Agosto
...

Ta na hora de mais uma, né?

Ainda mais quando o sogro acaba de voltar de uma viagem à Portugal, nos mostrando fotos magnificas ....
Viajar é tao bom, acho que foi por isso que comecei a estudar francês, deve ter alguma ligaçao cosmica com a primeira musica que aprendi na escola de linguas, la em 1991 ....


bien sûr, voyage voyage ...



... Au dessus des vieux volcans 
Glissant des ailes sous les tapis du vent 
Voyage Voyage 
Eternellement 
De nuages en marécages 
De vent d´Espagne en pluie d´équateur 
Voyage voyage 
Vol dans les hauteurs 
Au d´ssus des capitales 
Des idees fatales 
Regarde l´océan  ....


cocerinha, cocerinha, sai de mim que tô pobrinha ....

samedi 15 novembre 2014

essai! ENFIN, c'est fini!

Muita leitura, muita irritaçao, muito **o que estou fazendo aqui ?**  e muito Earl Grey para acompanhar minhas escritas ... Muita dor na bunda, dias de sol perdidos em frente ao computador.
E o resultado final (nao estou 100% satisfeita, mas foda-se = sim, hoje me permito falar palavrao).

Meu essai, a dissertaçao de meu mestrado, ENFIM finalizada!

Que alivio

o resumao do mardito ....

Cet essai est une réflexion critique qui explore le sujet de la sexualité des baby-boomers et la façon d’intégrer ce sujet lors des recontres entre les patients et les IPS-PL. Les baby-boomers représenteront une partie important de la clientèle des IPS-PL dans les prochaines années, la problématique est alors très pertinente. Parler de la sexualité est difficile et  la situation clinique à l’origine de cet essai a été réelle, vécue pendant le stage dans un contexte de clinique sans rendez-vous. Un bref portrait de la génération baby-boom, les données démographiques, le processus de vieillissement et les concepts âgistes sont présentés, ainsi qu’une revue d’écrits sur le sujet. Le modèle PLISSIT, un outil pour guider les discussions concernant la sexualité, est également présenté. Les recommandantions du Collège des médecins du Québec en ce qui concerne l’examen médical périodique pour les personnes âgées sont discutées, le moment de l’EMP apparaissant comme une opportunité pour amorcer le sujet, Parler de la sexualité demande du respect d’autrui, et le choix d’une approche holiste qui respecte l’individu et n’ignore pas les aspects liés à la sexualité est donc fondamentale. Pour guider la pratique infirmière avancée, les cadres théoriques de Parse et de Hamric ont été utilisés. En bref, le but de cet essai est d’approfondir les connaissances visant à optimiser la discussion des sujets liés à la sexualité avec des baby-boomers, en utilisant une approche holiste.

lundi 3 novembre 2014

mon essai .... 6 crédits, 31 pages .... C'EST PRESQUE FINI!

mon superviseur de stage m'a écrit hier ...

Bonsoir Gabriela,

Voici mes commentaires en fichier joint. Je trouve qu'il y a une très belle amélioration depuis la version précédente. Ton travail progresse très bien. J'ai mis des commentaires pour t'aider, mais il s'agit toujours de suggestions. À toi de voir si tu veux les conserver ou pas.

Comme convenu, tu pourras me faire parvenir ta version finale au plus tard le dimanche 16 novembre à 23h59. Il faut me l'envoyer en format PDF. 

Si je ne me trompe pas, tu n'es pas en ce moment dans la région de Québec. Je procéderai donc à l'évaluation de ton essai et t'aviserai de ta note par courriel, en te transmettant mes commentaires directement dans le fichier PDF. Il te faudra ensuite donner suite à ces commentaires et déposer la version finale de ton essai à la gestion des études. J'aviserai également la gestion des études de ton résultat.

Au plaisir,

Le programme IPS à l'Université Laval exige la production d'un document dans lequel sont présentées les idées courantes et particulières sur le sujet, à partir d'une situation clinique. Mon essai est dans sa version *H* (sérieusement!) et j'ai le droit à une dernière révision avant de (finalement!!!) déposer la version finale. 6 crédits = plus de 40 articles, 4 livres, de lectures et de cauchemars  ...

dans un mot = SOULAGEMENT!


source http://2.bp.blogspot.com/-nL8-10zZ228/UlyC3dTfVSI/AAAAAAAAAWM/0dF2WB41-TQ/s1600/download.jpg

Voici mes 3 premiers paragraphes ....


En ce moment, le Canada affronte le vieillissement de sa population. D’ici 2036, un quart de la population du pays sera âgée de 65 ans et plus (Rheault & Poirier, 2012). Le fait le plus marquant associé au vieillissement de la population sera l’arrivée massive des baby-boomers, les gens nés entre 1946 et 1966, dans le groupe des ainés. Considérant l’allongement de la longévité et l’entrée massive dans les prochaines années des baby-boomers dans le grand âge, l’Organisation mondiale de la santé (OMS) estime que tous les intervenants de la santé devraient être formés aux problèmes du vieillissement (Organisation mondiale de la Santé OMS ], 2012).

Le vieillissement est un processus qui, individuellement, implique les trajectoires de vie et au niveau collectif, est construit selon les influences d'ordre socioculturel. Motta (1999) et Peixoto (2000) soulignent que le vieillissement affecte les hommes et les femmes différemment, il affecte également les différentes générations de différentes façons, en fonction des différents vécus, rôles et représentations. Ces différents parcours influencent la manière dont des personnes âgées perçoivent l'expérience de leur vieillissement (Vézina, 2007). Pour la génération issue du baby-boom, vieillir acquiert une nouvelle signification : les baby-boomers envisagent de vieillir en bonne santé ainsi que maintenir un niveau d’activité et de socialisation différent de ce que les générations précédentes ont eu (Hartman-Stein & Potkanowicz, 2003; Blein, Lavoie, Guberman & Olazabal, 2009).

Suivant les recommandations de l’OMS, les professionnels de la santé doivent connaitre les enjeux liés au vieillissement, incluant les enjeux liés à la sexualité. La sexualité, selon l’OMS, est « un aspect central, constitutif de la personne tout au long de la vie qui inclut le sexe, les identités et les rôles de genre, l’orientation sexuelle, l’érotisme, le plaisir, l’intimité et la reproduction » (OMS, 2006). La génération du baby-boom a connu la révolution sexuelle, et en vieillissant, les questionnements liés à la sexualité doivent être intégrés par les professionnels de la santé dans une approche centrée sur la personne, la sexualité faisant partie du tout.


et le blah-blah-blah (oups, ma **contribution théorique à l'avancement de la profession**) continue pour 30 pages ....


Mon sujet ? La Sexualité de la personne âgée selon une perspective humanbecoming ... des heures de plaisir ...


source http://www.sorrisofm.com.br/nova/wp-content/uploads/2013/07/15333603.jpg